logo foton VEICULAÇÃO DE MULTIMÍDIAS

Uma vez criado o conteúdo de um multimídia, o mesmo tomará vários caminhos, como ser transmitido via web, figurar em painéis de sinalização digital, trafegar por aparelhos móveis como celulares, ou seja, terá uma vasta gama de opções de distribuição.

Um dos usos mais corriqueiros seria o armazenamento em mídias de transporte, ou seja, mídias físicas que carregam informações, disponibilizadas através de um leitor, sendo portáteis. Citemos o exemplo mais universal: um típico cd.

É muito comum a confusão entre o multimídia propriamente dito (a matriz, o conteúdo) da mídia física que o carrega (um compact disc ou cd, por exemplo).

Na internet, o comportamento de um multimídia seria outro, uma vez que seria acessado através de um servidor web, que descarregaria as informações no browser de um usuário. Na internet, permiti-se trocas de arquivos em caráter de mão dupla (uploads e downloads). Já os cds/dvds descarregam as informações ao serem lidos, e não acumulam novas informações.

Recentemente, os pen drives foram incorporados como mídias de armazenamento que permitem novos armazenamentos. E o blu-ray começa a ganhar algum espaço no rol das mídias físicas disponíveis.

A seguir, listamos a mídias mais utilizadas na prática:

CD-CARD

A menor mídia, com a menor capacidade de gravação, mas com a maior portabilidade, usualmente possuindo de 30 a 60 Mb de memória.

Criar uma multimídia para cdcard significa levar em consideração alguns fatores:

  • a pouca capacidade de memória do cd card exige informações precisas e concisas;
  • o caráter sintético na transmissão de idéias publicitárias deve ser levado em consideração;
  • o cdcard deve funcionar como uma cartão de visitas interativo, promovendo negócios, nao é propriamente para troca de arquivos.

DVD-CARD

É a variante do cdcard para DVD. Possuindo 600 Mb, atua como um dvd comum e pode ser lido em qualquer drive ou leitor de DVD. Deverá substituir o cdcard ao longo do tempo, pois a capacidade do primeiro é muito reduzida. Interessante como ferramenta de marketing para veicular vídeos rápidos e sintéticos.

MINI-CD

Além da portabilidade, por serem pequenos, apenas 8 cm de diâmetro, os Mini-CDs representam a mídia mais elástica de todas, pois podem funcionar como um cartão de visitas interativo, e possuem razoável capacidade de memória (200 Mb), substituindo o CD-R tradicional em muitos casos. São práticos e leves.

MINI-DVD

É a variante do mini-cd para DVD. Possue 1,4 gigas de memória e pode ser lido em qualquer drive ou aparelho de DVD. É uma mídia relativamente cara para uso corriqueiro.

CD-ROM

A mais tradicional de todas as mídias, ainda muito utilizada para veiculação de músicas, são populares e praticamente todos conhecem, portanto, são universais. Representam a forma mais barata de distribuição.

DVD

Já bem difundidos, são os CDs de antigamente. Possuem razoável capacidade de armazenamento (comumente de 4,7 a 8,5 gigas) e podem ser utilizados amplamente. São excelentes para veiculação de vídeos, mas servem igualmente para difusão de dados.

BLU-RAY ou BD

Variando entre 25 a 50 gigas, com o mesmo tamanho da bolacha do CD ou DVD, representam a novidade em termos de armazenamento, mas com pouca difusão empresarial. Possuem muito mais capacidade que o DVD e são utilizados, por hora, para a distribuição de filmes dos grandes estúdios, em novas e mais possantes plataformas de exibição.

PEN-DRIVE

Usualmente utilizados na forma de brindes, os pen-drives possuem algum destaque em campanhas de marketing especiais. A novidade é que permitem que o usuário interaja com a mídia, gravando novos dados, segundo sua conveniência, além do aspecto de brindes.